Realizada a primeira Assembléia do Foro Permanente em Guaxupé

on .

Foro Permanente – oportunidade de voz responsável para a sociedade civil

Aconteceu dia 16 de maio, na Casa da Cultura, a Primeira Assembleia Geral Pública do Foro Permanente: Somos o futuro de Guaxupé.

O professor e assistente social Renato Veroneze em seu artigo “FORO Permanente : Revitalização Guaxupeana”, publicado no Jornal da Região, do dia 15/maio, deu excelente contribuição, explicando com clareza aos leitores o que é um “ Foro” e sua importância numa sociedade democrática. Embora o articulista já tenha dito, insistimos em repetir para aqueles que não tenham lido, ou para chamar mais a atenção para que esta oportunidade não seja perdida:
O Foro é um importante espaço de discussão onde a sociedade civil opina, discute, sugere, constrói, contesta e debate ações e mediações políticas, culturais e sociais, para a construção de uma agenda em diferentes níveis e áreas de interesse da comunidade. Podendo ser municipal, estadual, nacional ou internacional.

A idéia inicial do Foro foi a criação de uma psicosfera positiva para a cidade. Psicosfera positiva é um campo de influências psíquicas positivas, explica o professor Veroneze. E é isto que se pretende para Guaxupé. “ Criar uma mentalidade, uma vontade, uma esperança e principalmente ações que possam ser materializadas no cotidiano.”

Contribuir para a formação de uma psicosfera positiva é um dos objetivos do Movimento de Cultura de Paz – GUAXUPAZ.

Diálogo, mediação, participação democrática, desenvolvimento sustentável, entendimento e solidariedade são segmentos da cultura de paz.

Com os ideais afinizados, apoiamos o “ Foro Permanente : Somos o futuro de Guaxupé” e temos esperança de que se estabeleça em nossa cidade este processo responsável de participação democrática, abrindo caminho para outras cidades da região.

Saiba mais lendo na íntegra a matéria de Renato Veroneze :

Foro permanente: revitalização guaxupeana

Aconteceu sábado, 16 de maio, na Fundação Cultural Guaxupé - Casa da Cultura, as 19h30, a Primeira Assembleia Geral Pública do Foro Permanente: Somos o futuro de Guaxupé.

O Foro é um importante espaço de discussão onde a sociedade civil opina, discute, sugere, constrói, contesta e debate ações e mediações políticas, culturais e sociais, para a construção de uma agente em diferentes níveis e áreas de interesse da comunidade. Podendo ser municipal, estadual, nacional ou internacional.

Dentre as atividades programadas para o encontro, os convidados, Dr. José Antônio Ribeiro Filho (Emérito da Academia de Medicina de Brasília), Prof. Dr. Marcelo Zait (Professor da USP e UFSCAR) e o Prof. Dr. Reginaldo Arthus (Professor e Reitor do UNIFEG), proferiram palestras, tendo como tema central: “O futuro da cidade está na arte de planejar o Futuro”.

Segundo Severo Antônio Silva, presidente da Casa da Cultura e Secretário Geral do Foro, “este é um movimento de desenvolvimento e luta para o bem estar da comunidade guaxupeana. Um movimento que pretende ser apartidário, sem preconceito de etnia, credo ou condição e classe social e que tem como objetivo participar, opinar, colaborar e influenciar naquilo que for de interesse e para o bem comum dos cidadãos de Guaxupé”. Severo não tem medido esforços para a realização dessa assembleia e está otimista quanto aos resultados que possam sair desse encontro.

O Foro é um espaço importante para Guaxupé, principalmente porque é um momento em que a sociedade civil, enquanto rede de parcerias entre diversos agentes sociais, dialoga sobre as diversas agendas de ações, que tem como mote uma interface da cultura e do social, de modo a possibilitar a realização de pesquisa, oficinas, arquivos, publicações, produções dentre outras atividades culturais e sociais para a cidade.

Dentro das propostas nas reuniões anteriores, pretende-se discutir inicialmente uma agenda de ações para a realização de uma pesquisa de mapeamento e diagnóstico da cidade, visando conhecer a realidade cultural e social das comunidades de Guaxupé, para que possam ser direcionadas ações coletivas, de cidadania e solidariedade. Segundo Nilza Janete Baraldi Siqueira, “é função do foro permanente, manter vínculos e perpetuar convivências”.

Guaxupé tem carecido de espaços como este, principalmente quanto ao resgate histórico e da memória da cidade. Ações como o museu de Guaxupé, o arquivo público e alguns eventos culturais que foram discutidos e idealizados em outras gestões, ainda não se materializaram.
Terra dos tropeiros, Guaxupé se firmou como uma cultura de passagem, onde talentos que nasceram aqui, só puderam dar seus frutos em outros lugares. Guaxupé tem culturas e raízes profundas que estão se perdendo no tempo por falta de um trabalho de preservação da sua memória.

A cidade carece ainda de espaços como escola de arte, conservatório musical, projetos culturais e sociais que resgatem a história e as raízes do seu povo, oficinas culturais e sociais de desenvolvimento e aperfeiçoamento da cultura, da cidadania, do meio ambiente e tantas outras áreas que podem ser exploradas pelos agentes sociais e culturais da cidade, bem como espaços para a formação e aperfeiçoamento de novos talentos.

Carecemos de empresas, e a cidade tem um polo bem promissor, que apoiem a cultura, financie projetos culturais e sociais para a população da cidade e região. Sendo uma das principais cidades da região, por ser um polo comercial e sede diocesana, tem capacidade para também ser um polo de cultura e tradição.
Observamos quanta riqueza histórica surgem com as trocas de mensagens e fotos através dos grupos de Facebook, guaxupeanos espalhados pelo mundo a fora, que revivem e contam suas lembranças, suas memórias e suas histórias pelo simples fato de não deixar morrer aquilo que é ou foi importante em suas vidas.

Portanto, damos total atenção e apoio a essa ideia. Uma alternativa para darmos vida a nossa cidade. A ideia inicial do Foro não poderia ser melhor: criar uma psicosfera positiva para a cidade.

Psicosfera é o mesmo que aura, ambiente psíquico, campo de influências psíquicas, alma ou consciência. Nesse sentido, criar uma psicosfera positiva significa criar um campo, uma onda, uma consciência, uma aura positiva, de foro íntimo nos guaxupeanos para Guaxupé. Criar uma mentalidade, uma vontade, uma esperança e principalmente ações que possam ser materializadas no nosso cotidiano.