O jornalismo ambiental clama por boas notícias

on .

Lá por meados da década de 1990, quando Axl Rose, Slash e o resto da turma do Guns N’ Roses arrebentavam nas paradas de sucesso, eu ainda estava na faculdade de jornalismo e ajudava moderadamente nas atividades do restaurante que minha família mantinha em Cotia, na região Oeste da Grande São Paulo. Recebia algum salário pelo trabalho, que era suficiente para abastecer o carro e ir a festas. E foram naqueles anos que dois episódios marcariam o meu ponto-de-vista sobre os profissionais e a profissão que havia escolhido meio que no susto.

O primeiro envolve um professor de História da rede pública. Aquela figura robusta e popular na cidade – pelo menos até aquele momento – começava a se engajar no jornalismo comunitário. Um grupo de agentes cotianos tinha acabado de instalar uma antena de radiodifusão em um bairro carente do município, dando início à rádio pirata, da qual ele (e as vezes também eu) participava com afinco.

Em determinado dia, o professor estava mais entusiasmado do que o comum. Ele carregava uma notícia bombástica, literalmente falando: uma bomba explodiria a prefeitura da cidade, localizada quase em frente ao nosso restaurante. O homem não cabia em si mesmo. “Agora que virei jornalista, você sabe como é, torço para que desgraças aconteçam”, disse animado. Apesar de todo o alvoroço causado pela ação da polícia, movimento da pequena mídia local e toda a torcida, nada aconteceu. Foi apenas um boato para sacudir um pouco a monotonia típica da Cotia dos anos 90s, mas o Appetite for destruction (apetite por destruição) do Guns N’ Roses dava suas caras.

Criado portal de serviços de Atendimento a Vítimas de Violência Urbana

on .

 

Visando entender, analisar e achar soluções para os altos índices de violência na Capital, o líder do PPS na Câmara Municipal, vereador Ari Friedenbach, promoveu no dia 19 de agosto, no Salão Nobre da Casa, o I Seminário de Atendimento a Vítimas Sociais. Ao final, o parlamentar anunciou a criação do SAVS – Serviço de Atendimento a Vítimas Sociais (www.atendimentoavitimas.com.br), um portal gratuito, de fácil acesso, que traz os principais serviços para o atendimento às pessoas que sofrem qualquer tipo de violência.

“O Portal vai disponibilizar todos os serviços existentes a vítimas de violência, divididos por região da cidade. Segundo ele, cerca de 300 endereços, entre órgãos governamentais e não-governamentais, já foram cadastrados (ONGs, universidades, instituições religiosas, entre outros).

Mais informações:

http://www.arifriedenbach.com.br/ari-friedenbach-lanca-portal-de-servicos-em-seminario-de-atendimento-a-vitimas-de-violencia-urbana/

Mídia de Paz Paraná

on .

A ONG Londrina Pazeando criou em 2008 o projeto Mídia de Paz. O site Mídia de Paz Paraná é fruto de um trabalho coletivo e integrado de várias instituições de Londrina interessadas em dar visibilidade a todas as “boas práticas” e iniciativas de cidadãos, ONGs, universidades, faculdades, programas governamentais, programas de responsabilidade social de organizações empresariais, que contribuam para construção de uma Cultura de Paz e Não-Violência em nossa sociedade. Pretende-se que o site, ao longo do tempo, se torne um portal compondo um grande banco de releases para os diversos veículos de comunicação locais e regionais. É objetivo do projeto servir de inspiração para as pautas para a imprensa de forma geral.

Visite o Site: www.midiadepazparana.org.br


Youtube

A ONG Londrina Pazeando dispõe de um canal no Youtube, pelo qual são veiculados vídeos e produtos de mídia relacionados ao trabalho de Cultura de Paz desenvolvido pela organização.
Acesse o canal e conheça o trabalho de Mídia de Paz de Londrina.

http://www.youtube.com/user/Pazeando