Compreensão Preliminar sobre Cultura de Paz

on .

Eixos temáticos:
O Programa de Ação sobre uma Cultura de Paz/)ONU/1999  estabelece oito eixos temáticos para a Cultura de Paz :

1- Educação para a Paz
2- Desenvolvimento Sustentável
3- Direitos Humanos
4- Igualdade entre os gêneros ( Homens/Mulheres)
5- Participação Democrática
6- Entendimento, tolerância, solidariedade
7- Livre circulação da informação
8- Paz e segurança internacional

-Cultura de Paz  possibilita adquirir a competência
 para resolução pacífica de conflitos , desenvolvendo nas pessoas, de todos os níveis, habilidades de diálogo, comunicação não-violenta, negociação e consenso.

 -A nova visão de paz

 é baseada nos valores universais de respeito à vida, liberdade, justiça, solidariedade, tolerância, direitos humanos  e igualdade entre homens e mulheres.”   ( Programa de paz/Conferência Intern. Sobre a Paz na Mente dos Homens/UNESCO- 1989.

- A maioria das pessoas se refere à Paz como ausência de guerra, que se obtém por um tratado. Esta é apenas uma visão da Paz, limitada ao aspecto social e internacional de uma Cultura de Paz. Na realidade, a Paz é um estado de harmonia que se manifesta em três direções, a saber:

consigo mesmo, ou a Paz Individual;
com os outros, ou Paz Social;
com a natureza, ou Paz Ambiental .   ( Pierre Weil )


A Paz é “a plenitude que resulta de relações corretas consigo mesmo, com outras pessoas, com outras culturas, com outras vidas, com a terra e com o Todo maior do qual somos parte.”
( Carta da Terra – doc. Universal, aprovado em 2000/UNESCO)


“ A  paz não é ausência de conflito,
 mas uma participação positiva em que o diálogo é encorajado e os conflitos resolvidos em espírito de compreensão mútua e cooperação”.( Cristina Von)

 “Conflito não é oposto de paz. Não é sinônimo de intolerância. A questão é como resolver os conflitos, se por meios violentos ou não violentos.    Para construir uma Cultura de Paz, faz-se importante aprender a resolver os conflitos de modo não-violento, isto é, por meio de acordos e não de modo hostil”.(Marcelo R. Guimarães/ “Aprender a Educar para a Paz)
- “ Diante da injustiça e da violência, a paz se relaciona com uma atitude de enfrentamento e mesmo de resistência, por meios não-violentos, para que possamos ir em busca de algo melhor.”   ( idem)

- “ A paz é vista como um processo em ação e um grande movimento em curso, muito mais que uma meta a ser alcançada. É um movimento de libertação.”  (idem)

- “ As mudanças virão com a profunda consciência da real possibilidade de resolver conflitos de forma não-violenta.” ( idem)   


“ Desobediência é incluída na noção de paz,
como contestação da ordem violenta. A desobediência às leis injustas apresenta-se como forma de promover a paz, como demonstrou Luther King .”  ( idem)


Cultura de Paz inclui
- a conscientização para a transparência e responsabilidade em governar , bem como a participação responsável da comunidade.
- a promoção de conscientização e ações   para enfrentamento das injustiças sociais, redução das desigualdades. Direitos Humanos é um eixo da Cultura de Paz.


“ A democracia global
vai exigir combinar a democracia nacional com a solidariedade internacional e histórica, com as sociedades do presente e as gerações do futuro, permitindo completar o quadro de mobilidade mundial, em que, além da paz comercial que vem do comércio livre em fase de implementação, o mundo caminhe para a realizar outros objetivos pacíficos : a paz social, a paz na segurança, a paz migratória, a paz cultural, a paz tecnológica, a paz moral, a paz política.           (Cristóvão Buarque: “Democracia e Globalização: Os Nove Tipos de Paz”)

 

Paz como Cultura

on .

A palavra “ Paz” vem do latim pangere = comprometer-se e concluir um pacto, estabelecer um acordo entre duas ou mais partes.
O conceito “ Cultura de Paz” apareceu pela primeira vez em documento internacional, resultante da Conferência Internacional sobre a Paz na Mente dos Homens, realizada em 1989, por iniciativa da Unesco:

“Ajudar na construção de uma nova visão de cultura de paz baseada nos valores
universais de respeito à vida, liberdade, justiça, solidariedade, tolerância,
direitos humanos e igualdade entre mulheres ne homens “ (...)

A expressão “cultura de paz” foi cunhada pelo educador peruano Padre Felipe MacGregor ao presidir a a Comissão Nacional Permanente de Educação para a Paz, criada pelo governo do Peru, em 1986. Três anos depois, Padre Mac Gregor publicou o livro “ Educacion, futuro, cultura de paz”, que inspirou o movimento promovido pela Unesco e adotado pelas Nações Unidas.

Padre Mac Gregor abriu caminhos na América Latina para os trabalhos de pesquisa acadêmica sobre a paz.

Fonte: Lia Diskin. Guia de Cultura de Paz. São Paulo: Rede Ação pela Paz, 2007.


Iniciativas da ONU/Unesco pela Cultura de Paz

Década da Cultura de Paz

A Década Internacional de uma Cultura de Paz e Não Violência para as Crianças do Mundo, proclamada pela Assembleia Geral das Nações Unidas, em 1988, foi impulsionada pela Campanha Internacional pelo Manifesto 2000 . Aderiram à campanha 75 milhões de cidadãos que assinaram um compromisso em prol de uma convivência edificante, sustentabilidade ambiental e justiça social.

Este Manifesto, no Brasil, inspirou a criação de centenas de programas e projetos, nas áreas de educação, saúde, cultura, meio ambiente, justiça, direitos humanos, diálogo inter-religioso , como também no âmbito empresarial.

Acesse - Manifesto 2000 


Declaração e Programa de Ação sobre uma Cultura de Paz - ( aprovado pela Assembléia Geral da ONU em 1999)

Estes documentos foram elaborados para que governos, organizações nacionais/ internacionais e sociedade civil possam se nortear para planejar seus programas e providências visando à promoção da cultura de paz no novo milênio.
O programa propõe oito eixos temáticos de referência:

- Cultura de Paz através da Educação
- Economia Sustentável e Desenvolvimento Social
- Compromisso com todos os Direitos Humanos
- Equidade entre os Gêneros
- Participação Democrática
- Compreensão- Tolerância – Solidariedade
- Comunicação Participativa e Livre Fluxo de Informações e
Conhecimento
- Paz e Segurança Internacional


Uma cultura de paz integra :

- valores - atitudes - tradições - comportamentos - modos de vidas
que se baseiam em:

- respeito pela vida e prática da não violência por meio da educação, do diálogo e da cooperação;

-respeito pelos princípios de soberania, integridade territorial e independência política;

- esforços para satisfazer as necessidades de desenvolvimento e as necessidades ambientais de gerações presentes e futuras;

- respeito e promoção de direitos e oportunidades iguais para mulheres e homens; eliminação de todas as formas de discriminação contra mulheres;

- respeito ao direito à liberdade de expressão, opinião e informação, e sua promoção em todos os níveis;

- adesão aos princípios de liberdade, justiça, democracia, tolerância, solidariedade, cooperação, pluralismo, diversidade cultural, diálogo, e entendimento em todos os níveis da sociedade ne entre as nações;

- determinação calma na resolução de conflitos, respeito mútuo, entendimento e cooperação internacional;

- democracia que promova o desenvolvimento e o respeito universal e observância de todos os direitos humanos e liberdades fundamentais; instituições democráticas que fortaleçam e assegurem a participação no processo de desenvolvimento;

- transparência crescente e responsabilidade em governar;

- formação de pessoas em todos os níveis para desenvolver habilidades de diálogo, negociação e consenso que conduzam à resolução pacífica das diferenças;

- erradicação da pobreza e do analfabetismo reduzindo as desigualdades nas nações e entre elas;

- desenvolvimento econômico e social sustentável;

- garantia de respeito, promoção e proteção dos direitos das crianças;

- eliminação de todas as formas de racismo, xenofobia e intolerância;

- compreensão, tolerância e solidariedade entre todas as civilizações, pessoas e culturas, incluindo diferentes etnias, religiões e minorias li8n guísticas;

-direitos de todas as pessoas, incluindo os que vivem sob formas coloniais ou outras de ocupação estrangeira.

Fontes: 

- Lia Diskin. Guia de Cultura de Paz. São Paulo: Rede Ação pela Paz, 2007.
- Cristina Von. Cultura de Paz. Cap. “Declaração e Programa de
Ação para uma Cultura de Paz”. Ed. Peirópolis)

 

Para conhecer o programa

I - A íntegra deste programa e de todos os documentos internacionais que inspiram e fundamentam grande parte das propostas contidas na Declaração e Programa de Ação sobre uma Cultura de Paz estão disponíveis no site www.comitepaz.org.br 

Acesse o Programa de Ação Para uma Cultura de Paz CLIQUE AQUI


Outros avanços relacionados à iniciativas integradas à ONU

- Declaração dos Direitos Humanos
- Carta da Terra
- Declaração sobre a paz na mente dos homens
- Declaração de princípios sobre Tolerância
- Declaração de Durban - Declaração Universal sobre Diversidade Cultural
- Relatório Dellors
- Declaração Ubuntu Sobre Educação, Ciência e Tecnologia para o
- Relatórios da ON U sobre progressos na Década Internacional para a Cultura de Paz.

O quadro geral dos documentos internacionais e seus respectivos conteúdos poderão se acessados no link:

http://comitepaz.org.br/index.php/documentos-internacionais/

 

Fonte de pesquisa, estudo e programação de atividades: 

Ela apresenta uma síntese dos pontos básicos do Programa de Ação sobre uma Cultura de Paz,

com roteiros de ações a serem desenvolvidas pelos governos, nas escolas, no trabalho,

nas comunidades e individualmente. Obra recomendada para preparação de educadores,

gestores e pessoas interessadas. Material de apoio para elaboração de planos de trabalho sobre

Cultura de Paz.



Cartilha vamos ubuntar ? um convite para cultivar a paz

on .

A obra Vamos Ubuntar, da autora Lia Diskin, foi publicada pela UNESCO, Fundação Vale e Fundação Palas Athena.

Ubuntupalavra africana, significa "sou quem sou por aquilo que todos somos". Ela exprime o reconhecimento de um vinculo universal que conecta toda a humanidade.

Além dos conceitos teóricos, a obra traz sugestões para reflexão e diálogo em grupo, exemplos de ações exitosas e fontes de pesquisa.

Temas como inclusão social e educação para o século XXI, a paz na voz das culturas, a paz como cultura, novas tecnologias de convivência são apresentados entre outros.

Esta obra faz parte da coleção Abrindo Espaços: educação e cultura para a paz

Disponível na íntegra e para download:

http://unesdoc.unesco.org/images/0017/001785/178540por.pdf

GENTE QUE FAZ A PAZ

on .

DIGA SIM À CULTURA DE PAZ!

A paz é alimentada pela união de raízes fortes. Em cada uma das nossas ações diárias pode estar uma raiz que permite a Cultura de Paz crescer e se multiplicar.

A violência começa na mente de cada pessoa e é aí que também deve nascer a paz. Para isso, trabalhamos com o conceito de Paz Positiva e Ativa, pois é preciso enfrentar os conflitos que se apresentam em nossas vidas e lidar com eles de forma construtiva e não-violenta para reverter as situações de guerra e violência.

Cultura de Paz - Respeito à diversidade sexual

on .

Estamos no século XXI. Mudanças intensas e ininterruptas tanto na tecnologia quanto nos costumes ocorrem nos países desenvolvidos e em desenvolvimento. Concomitantemente, em muitos lugares do planeta, prevalecem culturas primitivas, subdesenvolvidas, sem condições mínimas de sobrevivência. Neste mundo de contrastes, temos favelas bem pobres ostentando antenas de televisão como hastes de bandeira indicando que já desfrutam de benefícios da tecnologia.

Apesar das grandes mudanças nos costumes, a partir da década de 60, da liberação sexual e de uma multiplicidade de opções de organização familiar, paradoxalmente, o preconceito e a discriminação ainda imperam de forma enrustida ou ostensiva em segmentos radicais. A violência homofóbica ( contra casais do mesmo gênero) continua a acontecer, até com requintes de crueldade. Aos conflitos na relação entre os homossexuais e suas famílias, junta-se a constatação dos riscos da homofobia que intensifica a angústia e perturba a paz nas famílias, tanto de homossexuais quanto dos agressores.

Estatística homofóbica

O Governo Federal, em iniciativa pioneira na América Latina, lançou dados oficiais sistematizados sobre violência homofóbica no Brasil. Tais dados são peça fundamental no enfrentamento à homofobia e às demais formas de preconceito no país, possibilitando a quantificação e visibilização da realidade de violações de direitos humanos vivida pela população LGBT.
Esta estatística poderá ser verificada pelo link:

http://www.sdh.gov.br/assuntos/lgbt/dados-estatisticos/relatorio-sobre-violencia-homofobica-no-brasil-ano-de-2011

Cultura de Paz

Diante desses dados, dos fatos e das notícias veiculadas pela mídia, a Cultura de Paz se torna cada vez mais urgente na formação de uma sociedade que respeite a diversidade e desenvolva a tolerância, a compreensão, a solidadriedade e o diálogo.

A educação para o respeito à diversidade, começando pela família, pela escola e por todos os segmentos da sociedade, precisa ser cuidada, planejada, orientada por especialistas idôneos, tanto na formação de educadores como também democratizada à população, com o alcance da mídia.

Educar para o respeito à diversidade não é incentivar o homossexualismo
como muitos argumentam. Cada um pode ter sua posição individual, mas o respeito ao ser humano diferente, deve prevalecer.É questão de ética, de humanismo, de direitos humanos.

Leia as matérias relacionadas a Respeito à Diversidade Sexual:

Apoio a Pais de Homossexuais

Meu filho é homossexual. E agora ?

Obras de Edith Modesto sobre diversidade sexual

Educação Sexual: como trabalhar o respeito a diversidade sexual

Música: Ser Diferente é Normal

Amor incondicional e aceitação

Defesa da diversidade sexual: lutas e avanços 

Participação Democrática

on .

A participação democrática é um dos oito eixos temáticos da Cultura de Paz.

A partir da Constituição de 1988, surgem novos canais de interlocução entre a sociedade civil e o Estado, possibilitando a implementação e monitoramento de políticas públicas que atendam às necessidades e direitos da população.

Porém, é preciso que os profissionais e a comunidade sejam preparados para usufruírem destas aberturas.
As entidades e a comunidade em geral devem ser preparadas para exercerem a participação democrática através dos canais de participação e representação.

Repensando a noção de paz

on .

Marcelo Rezende Guimarães

Na ânsia de concretizar um projeto de paz, a humanidade corre o risco de idealizar ou romantizar a paz, podendo fazer do pacifismo um campo muito propício para discursos fáceis e emocionais, ou mesmo um modismo. Daí a importância de superar o conceito de paz como ausência de guerra ou perturbação, evoluindo para uma noção mais positiva, associada às experiências humanas, tais como justiça, igualdade, direitos humanos e democracia.

Cartilha "Cultura de Paz - Redes de Convivência"

on .

 Autoria : Lia Diskin.

 “Esta cartilha é uma contribuição do SENAC São Paulo para a sociedade brasileira. Ela tem como propósito compartilhar saberes, experiências de convivialidade e, sobretudo, inspirar iniciativas que tenham como finalidade a promoção do desenvolvimento humano, social e, por conseguinte, a cultura de paz”

A cartilha "Cultura de Paz - Redes de Convivência" pode ser baixada da internet no site do SENAC:

http://www1.sp.senac.br/hotsites/gd4/culturadepaz/